Dracena, Domingo - 22 de Abril de 2018

Nem toda desatenção e TDAH-Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade.Daniele Motocio Leite Spadácio

Nem toda DESATENÇÃO é TDAH – Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade

_________________

Daniele Motokio Leite Spadacio *

Psicóloga – CRP 06/102342

 

A atenção é uma habilidade cognitiva fundamental para que possamos lidar com as informações do ambiente em nosso dia a dia. A todo momento recebemos estímulos diferentes, tanto do meio externo como estímulos internos: sons de carros passando, conversas de pessoas ao nosso redor, alguém se esbarrando em nós, o cheiro de algum alimento, o cachorro que acabou de latir, como também, nossos próprios pensamentos, lembranças e preocupações. A atenção consiste, portanto, na capacidade de selecionar e manter o controle sobre a entrada de informação necessária num dado momento.Mas o que isso significa? De maneira bem simplificada, significa que nós selecionamos aquilo que é importante naquele momento, à medida que controlamos a entrada de outras informações, como por exemplo, quando direcionamos nossa atenção para a conversa que estamos tendo no telefone e, desconsideramosos estímulos menos importantes (tic tac do relógio, o barulho do chuveiro ou do ventilador ligado, uma pessoa passando do nosso lado, etc.).

Em contrapartida, a desatenção nós sabemos muito bem como é: não prestamos atenção em detalhes, cometemos erros por descuido, dificuldade em manter o foco na leitura ou no que o professor está falando, não prestamos atenção onde guardamos as chaves... E então os prejuízos são vários, como dificuldades na aprendizagem, erros nas tarefas no ambiente de trabalho, dificuldades em planejamento e na resolução de problemas, perdas de objetos/materiais, podendo afetar inclusive a autoestima e os relacionamentos sociais.

Quando o assunto é desatenção, diversos fatores estão envolvidos. Podemos estar desatentos porque estamos com fome, porque não dormimos bem na noite anterior, porque estamos preocupados com alguma coisa, além disso, a desatenção pode ser devido a uma depressão, um transtorno de ansiedade ou então em decorrência de um traumatismo craniano, entre outros fatores.

Diante disso, é fundamental considerar que nem toda desatenção é TDAH – Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade. O TDAHé um transtorno do neurodesenvolvimento e possui dentre os seus critérios diagnósticos um padrão persistente de desatenção e/ou hiperatividade-impulsividadecom início na infânciae a pessoa apresenta um impacto negativonas atividades sociais e acadêmicas/profissionais, além de outros critérios. Deste modo, não podemos confundir o “estar desatento(eventualmente)”com um “padrão persistente de desatenção”. É preciso avaliar a história clínica dos sintomas, desde quando a pessoa apresenta queixas de desatenção, se quando era criança já apresentava queixas, quais impactos a desatenção tem acarretado, em quais ambientes ela se apresenta, a dinâmica familiar, etc. Por isso, é de extrema importância uma avaliação detalhada e multiprofissional. O psicólogo especializado poderá contribuir coma avaliação do perfil cognitivoe comportamental, além de dados complementares da avaliação profissional com instrumentos quantitativos e qualitativos que auxiliam no diagnóstico médico, considerando ainda o auxílio em intervenções terapêuticas.Na dúvida, não hesite em procurar ajuda.

 

* Daniele Motokio Leite Spadacio, Psicóloga, atende na Av. Avenida Presidente Vargas, nº. 1343 – Dracena -  Telefone: (18) 98125-2708

 

Graduada em Psicologia, possui Especialização em Psicopedagogia e Especialização em Neuropsicologia e as Interfaces com as Neurociências. É especializanda no curso de Neuropsicologia com Formação em Reabilitação Cognitiva pelo Núcleo de Estudos Dr. Fernando Gomes Pinto e Hospital Beneficência Portuguesa - SP. Possui curso teórico-prático de escalas de inteligência para crianças e adultos, respectivamente pelo Centro de Estudos em Neurociências Prof. Dr. Raul Marino Jr. – Instituto Neurológico de São Paulo (INESP) e Instituto de Psicologia, Educação, Comportamento e Saúde – IPECS. Tem capacitação em Distúrbios de Aprendizagem pelo Centro de Capacitação de Neuroeducação – CCNE. Psicóloga integrante do grupo de associados da Sociedade Brasileira de Neuropsicologia – SBNp.

IMAGENS